Final de semana de convenções da oposição.

No último sábado (12/09) os principais grupos que disputarão a eleição deste ano pelo campo oposicionista fizeram suas respectivas convenções partidárias. O ex-prefeito Soliney no clube Monalisa, e o sindicalista Antônio Pires no Espaço Mirian Modas disputaram atenção da população com falas repletas de insinuações ofensivas a respeito do prefeito, e pré-candidato a reeleição Américo de Sousa, críticas vazias ao governo, deixando de lado a apresentação de ideias e proposta.

Convenção sem público e ausência de lideranças, convenção do PL naufraga em Coelho Neto.

Com um público diminuto, Antônio Pires teve em sua convenção todos motivos para sair frustrado. Apesar vender grandeza nas redes sociais atraiu pouquíssimas pessoas, o discurso de que havia disparado provou ser uma ser uma grande falácia, além do mais apresentou um grupo inconsistente e de baixa densidade eleitoral, e não atraiu nenhuma liderança importante do Estado, nem mesmo o presidente do seu partido, o controverso deputado federal Josimar de Maranhãozinho deu as caras,preferindo ir para lugares que considera a possibilidade de vitória ser maior.

Longe do brilho do passado, ex-prefeito Soliney confirma candidatura do filho falando para público pequeno e sem prestígio de lideranças estaduais.

Já o ex-prefeito Soliney mostrou que ainda lhe resta alguma força e superou com boa vantagem a convenção rival. Para isso apelou aos seus asseclas, grande parte ex-lagartas da folha de pagamento da Prefeitura durante sua gestão, através de mensagens de áudio em grupo de whatsapp intimando-os a comparecerem e mobilizarem pessoas, no entanto andou longe de demonstrar a grandeza que já teve um dia, e da mesma forma, foi desprestigiado por lideranças estaduais que dizem lhe fiar apoio, mas que optaram por não comparecem presencialmente, no máximo uma mensagem de vídeo.

POPULAÇÃO CRÍTICA AGLOMERAÇÃO

Nas redes sociais não faltaram vozes críticas aos atos políticos, questionando o fato de aulas estarem paralisadas e o comércio tendo seu funcionamento limitado, enquanto políticos podem promover aglomerações.

No entanto, cabe destacar que a Convenção partidária é uma imposição de calendário eleitoral. Infelizmente como a Justiça e nossos congressistas optaram por manter o calendário, político algum vai poder fugir de realizar este ato partidário.

Agora, cabe observar que as convenções devem obedecer, obrigatóriamente, as normas de proteção e distanciamento social, algo que foi descumprindo nos atos deste final de semana.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *