Caxias abandona seu papel de referencia na Saúde

Os municípios de Coelho Neto, Afonso Cunha, Duque Bacelar, Aldeias Altas e Buriti são todos vinculados a cidade de Caxias através da regional de Saúde, a pactuação de saúde do Maranhão determina que pacientes em estados graves, de urgência e emergia sejam encaminhados para Caxias para que tenham o atendimento médico necessário.  E recursos para isso não faltam, apenas do governo federal Caxias recebeu a titulo de Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar mais de R$ 68 milhões de reais, isso apenas em 2018. Se colocarmos 2019 na conta, Caxias recebeu mais de 16 milhões só nesse ano.

Mas na pratica, os municípios da região não tem recebido o tratamento que merecem. Encaminhar um paciente para Caxias, por mais grave que seja, é uma verdadeira novela. Primeiro que regular um paciente para lá é uma novela, são no minimo três ligações para que eles atendam, os encaminhamentos por e-mails só são respondidos após 24hrs, e se passar das 22:00hrs, eles não atendem mais os telefonemas, fazem de tudo para inviabilizar a ida do paciente para lá.

O descaso de Caxias com pacientes da região é tão absurdo, que recentemente, um jovem de Coelho Neto com fratura na perna em dois lugares, demorou 07 dias para que a UPA de Caxias aceitasse receber o paciente, foram inúmeras as ligações e tentativas de fazer o jovem ser aceito lá, e mesmo assim a UPA Caxiense não procedeu com a internação como deveria, após exames retornou o rapaz para Coelho Neto, sem uma solução definitiva.

 

 

A historia quando veio a público irritou os coelhonetenses, que manifestarem em grupos de WhatsApp toda sua insatisfação com o Governo Caxiense, muitos até lembraram que o pai do prefeito de Caxias, o deputado estadual Zé Gentil (PRB) recebeu apoio os coelhonenteses na última eleição, e não era justo o que o Governo Caxiense vinha fazendo com o pacientes de Coelho Neto que vão para Caxias.

Com a péssima repercussão do caso nas redes sociais, a UPA de Caxias aceitou o jovem novamente, mas ainda não resolvia o problema. O atendimento só foi levado adiante quando o caso chegou ao conhecimento da Regional de Saúde, que rapidamente interveio e procedeu com a internação no rapaz no Macrorregional de Caxias, onde ele aguarda para fazer a cirurgia na perna.

Um absurdo sem tamanho!

Isso, porque não estou citando que pacientes da UPA de Caxias, não importando a origem, vem sofrendo com a falta de medicamentos. Recentemente uma paciente teve que comprar os remédios que o medico necessitava para seu tratamento, porque não tinham na UPA.

E assim, vai a gestão do melhor prefeito do Brasil!

Faça um comentário