A EXEMPLO DO PAI, SARNEY FILHO BUSCA REFÚGIO FORA DO MARANHÃO

O ex-presidente José Sarney teve que buscar refúgio no Amapá, em 1990, após sentir que não teria partido e nem condições de enfrentar o ex-governador Epitácio Cafeteira, que havia se desincompatibilizado do cargo para disputar o Senado da República na eleição majoritária em que Edison Lobão virou a eleição no segundo turno e derrotou João Castelo, agora é o filho quem está tendo que se refugiar em Brasília, após ser derrotado nas urnas para o Senado.
Quando deixou a Presidência da República, José Sarney conseguiu um mandato de senador pelo recém criado por ele Estado do Amapá e por lá ficou até não ter mais condições de se reeleger, retornando ao Maranhão em 2018 para comandar a campanha da filha ao Governo e do filho ao Senado, mas perdeu as duas, num claro sinal de decadência e falta de liderança.
As eleições no Amapá ocorreram em 1990, como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram escolhidos o governador Aníbal Barcelos, o vice-governador Ronaldo Borges, os senadores José Sarney, Henrique Almeida e Jonas Borges, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais; sua primeira representação política completa desde a elevação a estado pela Constituição de 1988. Sarney viria depois comandar o Senado em várias legislaturas.
Sem a estatura do pai, que a essa altura não possui mais o prestígio de outrora e nem dispões dos meios para obrigar aliados aceitar suas vontades, Sarney Filho, até para se firmar como secretário da pasta do Meio Ambiente no GDF, uma secretaria insignificante e sem importância na estrutura do Distrito Federal, terá primeiro que quebrar resistência internas do Partido Verde de Brasília, que já se manifestou contra e promete fazer barulho contra a iniciativa do governador eleito Ibaneis em convidá-lo para compor o primeiro escalão do GDF.
Sem perspectiva de futuro político no Estado e com a família sendo aposentada compulsoriamente da política local pelas urnas em 5 de outubro, só resta a Sarney Filho se agarrar a essa possibilidade de assumir um cargo, por menor que seja, na esperança de continua na arena política, embora não mais como protagonista, mas como um mero coadjuvante.
Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *